sexta-feira, 27 de abril de 2012

Mudam-se os tempos e voltamos aos hábitos de antigamente...


Tenho ouvido nas notícias o rescaldo da crise e tenho vindo a aperceber-me que estamos a voltar ao antigamente...

Para poupar na luz (que está pela hora da morte. Logo, quando chega a carta em casa nos benzemos da exorbitância dos valores acrescidos), há quem tem recorrido às velas (eu sou uma delas. Dois em um, diga-se de passagem. Poupo na luz e tenho o ambiente que aprecio em casa), porque enfim, há que recorrer ao mais barato. E há pacotes de velas (passo publicidade sem remuneração, atenção!), na Casa, super em conta e que dá perfeitamente para o que se pretende, iluminação. Depois, há quem opte pelos candeeiros a petróleo. Ora bem. O importante de facto é arranjar soluções e contorna-las. E tenho tido essa percepção quando oiço as notícias. De facto somos um povo que nos moldamos às situações. Claramente, identifico-me nesse molho de gente, que se molda às vicissitudes da vida.

Porém, não consigo deixar de ficar sempre com mágoa, quando oiço estas e outras notícias do género, onde escandalosamente se nota que estamos a regredir a passos largos para trás, como se de caranguejos se tratasse. Estamos a morrer directos na praia. Estamos a estagnar. Estamos a ser engolidos pelo tempo. Não estamos a conseguir acompanhar esta montanha russa. Não estamos a conseguir andar nesta Babilónia que o Mundo se tornou. Mas afinal, o futuro, onde fica? E nós, onde nos enquadramos nele? 

24 comentários:

  1. Olha, em relação à Electricidade, eu sou a favor da Energia Nuclear, sobretudo para podermos ter o máximo possível eléctrico e deixarmos de ser tão dependentes do Gás Natural (que importamos) e para que a mesma desça os valores para metade ou menos, como noutros Países isto se verifica.

    Eu por acaso também gosto do ambiente à luz das velas, recentemente terminei o meu stock, tenho de comprar mais, embora aqui na zona ainda não tenha encontrado um sítio para as comprar em conta, mas quando a paciência vier eu encontro... ;)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. O teu texto está cheio de verdades.. Infelizmente... A ideia das velas, para os casais até se torna romântico :)
    E a resposta a tua pergunta sobre o fututo, tenho-te a dizer que foi para parte incerta, desapareceu..

    ResponderEliminar
  3. Cortes na luz, cortes no possível,nas férias, na gasolina.
    O futuro foi ontem. O presente é agora.
    :)

    ResponderEliminar
  4. O futuro?

    Pelo andar da carruagem é viver um dia de cada vez porque os "senhores do poder" na ânsia de manterem os seus próprios privilégios não fazem a mínima ideia do que andam a fazer.

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Este mês baixei 10 euros na conta da luz... e nada mais fiz do que desligar totalmente a tv e a box da tv por cabo durante a noite. :)

    ResponderEliminar
  6. Também tenho sentido isso, uma regressão tamanha. Porém, eu ainda não consegui adaptar-me à regressão... :)
    Bom fim-de-semana.

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  7. Concordo inteiramente com o teu texto. Infelizmente é verdade, estamos a regredir e tínhamos tantas coisas para sermos um país próspero. Felizmente temos esta capacidade de nos moldarmos às situações por mais difíceis que estas sejam, e estes tempos de facto teem sido muito dificeis. Muitas vezes me pergunto, qual o meu futuro neste país ? e o futuro do meu filho? e estamos assim, a respirar, mas por vezes sem ar.

    ResponderEliminar
  8. O futuro deveria ter sido planeado, superiormente, e por cada um de nós de modo mais sapiente. Todos temos alguma culpa no cartório, mas mais ainda quem manda que deu mau exemplo e tantas falsas promessas sem exigir esforço. Aqueles que se esforçaram continuam a fazê-lo, mas com mais dificuldade, aqueles que nunca se esforçaram mas julgavam que o faziam estão a ter uma surpresa. O futuro será sempre aquilo que fizermos dele, porque se ficarmos à espera que alguém faça por nós o futuro será para sempre o presente de agora ou o passado de outrora!

    ResponderEliminar
  9. Acho que o problema foi termos dado um passo maior que a perna...e agora surgem as consequências!

    ResponderEliminar
  10. olá..quanto á luz, á factura da Edp explicaram esta semana, no programa da " querida Júlia " que a Edp cobra-nos na factura aquilo que nós não gastamos em luz. 40 por cento do valor da factura ( que não fomos nós que gastamos esses 40 por cento em luz ) vai para o bolso deles.... não te sei explicar tudo, mas existem umas letras pequenininhas que a maior parte de nós não se dá ao trabalho de ler e o dinheiro vai para contratos que a própria Edp assumiu com o Estado e outras entidades, penso eu. 40 por cento da factura não são as pessoas que consomem... é meio mundo a enganar meio mundo. foi por isso que no outro dia vi umas 20 ou 30 pessoas á porta da Edp de Valongo.. beijos e um bom fim de semana

    ResponderEliminar
  11. Olha agora fizeste-me lembrar do meu camping gaz!!!! Boa ideia!!!!
    Mas agora mais sério há a crise mas o futebol e os concertos de verão estão sempre cheios e os restaurantes e por aí...
    Pois para onde caminhamos não sei e até tenho medo de pensar...vivo o dia a dia como posso e o depois, logo se vê...

    ResponderEliminar
  12. Vou ser super sincera na minha opinião (sempre sou..): o que tem de mudar a maneira de pensar do povo. Há quem (principalmente aqueles que NUNCA estiveram bem) conseguem viver sem menos um bocadinho pois já sabem viver com pouco. O problema é que a grande maioria habituou-se a viver à grande e não está com vontade de "largar". Antigamente as familias tinham imensos filhos e viviam-se (e em que condições). Nos dias de hoje já não é assim pois tanto pais como filhos são exigentes. A mentalidade está no caminho...
    Mas isto sou eu a falar, e quem sou eu né?
    Bjs docinhos xxx

    ResponderEliminar
  13. É verdade que se assiste a um retomar de hábitos antigos...
    A necessidade aguça o engenho!

    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  14. É verdade =/

    Isto anda de mal a pior.

    ResponderEliminar
  15. Todas as contas a aumentar, mais impostos e muito menos emprego realmente assustam. Neste momento estamos realmente a regredir muito, mas não acredito que dure. Os países estão quase todos na mesma situação, portanto acredito que assim que os "grandes" da Europa se sentirem atingidos, as regras do jogo mudem...
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Esse Portugal de que falas já não existe.È pura imaginação e delirios dos meios de comunicação social.
    Não sei por andas mas o facto é que olho à minha volta e nada disso existe.

    ResponderEliminar
  17. Também penso o mesmo. E ainda por cima vemos escândalos todos os dias de pessoas que ganham salários exorbitantes e outras que morrem de fome...
    God help us...

    ResponderEliminar
  18. Vamos é pôr as nossas barbas de molho, minha gente...

    Kiss

    ResponderEliminar
  19. Pois... se calhar, o antigamente nunca mudou. Se calhar, quem dantes vivia em "ilhas" nunca de lá teria saído se os bancos não lhe tivessem emprestado dinheiro (e engordado à bruta com os juros e, agora, com as penhoras). Quanto aos direitos que agora nos são retirados, se calhar também nunca mudou a mentalidade que leva a votar em quem não se deve, nas gravatas, no paleio moralista e não em quem realmente se preocupa com o povo!
    Beijinhos,
    Madalena

    ResponderEliminar
  20. o futuro não existe! só existe o presente ;)

    ResponderEliminar
  21. Somos um povo de crises. Ao longo da história que a nossa sociedade teve de ultrapassar as várias crises. O que importa é manter a determinação e sorrir para o dia de amanhã.

    beijo
    Sutra

    ResponderEliminar

"Eu não escrevo em português. Escrevo eu mesmo".♥ - Fernando Pessoa

A essência que queres partilhar comigo é?...